quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

BRASIL: Inflação oficial acelera para 0,52% em novembro, mostra IBGE Em 12 meses, IPCA acumula alta de 6,64%, acima do teto da meta do BC. Grupo de alimentação pressionou o índice neste mês.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que mede a inflação oficial do país usada como base para as metas do governo, acelerou para 0,52% em novembro, após subir 0,43% no mês anterior, segundo divulgou, nesta quinta-feira (8) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE). Em novembro do ano passado, o índice havia ficado em 0,83%.

Em 12 meses, o indicador acumula alta de 6,64% e de 5,97% de janeiro a novembro. O IPCA em 12 meses segue acima do teto da meta de inflação estabelecida pelo Banco Central para 2011, que é de 6,5%.
Entre os grupos de despesas avaliados pelo IBGE, o de alimentação e bebidas exerceu a maior pressão sobre o indicador de novembro (48% da taxa), aumentando a variação de preços de 0,56% em outubro para 1,08% em novembro. O destaque ficou com o item carnes, que subiu 2,63%.  por outro lado, entre os alimentos que tiveram queda, o leite teve recuo de 2,02%.

Considerando os grupos de gastos não alimentícios, a variação foi de 0,35%, após subir 0,39% no mês anterior. O item empregados domésticos exerceu o segundo maior impacto sobre o índice, com variação de preços passando de 0,10% para 1,36%. Também ficaram mais caros os serviços de manicure (de 0,88% para 1,98%), cabeleireiro (de 0,54% para 1,19%) e costureira (de 0,41% para 1,64%). O grupo despesas pessoais passou de 0,22% para 0,88% em novembro.

Na contramão, os outros grupos apresentaram desaceleração. O grupo de gastos transportes variou 0,01%, após ter avançado 0,48% no mês anterior. De acordo com o IBGE, uma das causas está no preço das passagens aéreas. Depois de os preços das passagens subirem, em média, 14,26% em outubro, a alta ficou em 3,91% em novembro. O preço da gasolina também influenciou. O preço do litro ficou 0,25% mais barato depois de aumentar 0,17% em outubro.

As despesas com habitação tiveram reduação da variação: de 0,62% em outubro para 0,47% em novembro, com destaque para mão de obra (de 1,21% para 1,46%), aluguéis residenciais (de 0,80% para 0,81%) e energia elétrica (de 0,40% para 0,72%). Também desaceleraram a alta de preços de vestuário (de 0,74% para 0,58%), saúde e cuidados pessoais (de 0,45% para 0,42%) e educação (de 0,07% para 0,02%).

INPCO Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) acelerou de 0,32% em outubro para 0,57% em novembro. No ano, o índice acumula alta de 5,54% e, em 12 meses, de 6,18%. Em novembro de 2010, o INPC havia ficado em 1,03%.

Da Redação O Arauto Mamanguapense
clenilsonpinto@yahoo.com.br
Postar um comentário