quarta-feira, 27 de junho de 2012

Fotógrafo acusado de matar ex-mulher na Paraíba é visto em voo da Tam viajando para Belém do Pará

Gilberto Stucker

Gilberto Stucker























O fotógrafo Gilberto Lira Stuckert Neto pode estar na cidade de Belém, no Estado do Pará. Ele é acusado de ter assassinado a sua ex-mulher, a professora universitária Briggida Rosely de Azevedo Lourenço, de 28 anos de idade. Ela foi encontrada morta dentro do seu apartamento, na rua Professora Maria Lianza, no Jardim Cidade Universitária, no Conjunto dos Bancários, na Capital, na quarta-feira (20).Uma pessoa que estava no voo JJ 3890 da empresa área TAM informou ao Portal Correio que o fotógrafo Gilberto Stuckert, embarcou no aeroporto dos Gaurarapes, em Recife-PE, às 8h10 da última quinta-feira (21) com destino a cidade de Belém, capital do Pará. O voo estava previsto para chegar às 12h00 ao seu destino.

A pessoa que viu o fotógrafo no interior do avião contou que avisou ao comissário de bordo sobre a sua presença. Relatou que o fotógrafo estava sendo procurado pela polícia da Paraíba, como principal suspeito do assassinato de sua ex-mulher. 

O comissário do avião informou que nada poderia fazer para impedir que o fotógrafo viajasse, pois não possuía nenhum mandado judicial, nem pedido para a sua prisão, tendo o avião partido para Belém.
Quando desembarcou no aeroporto de Belém, a pessoa ainda tentou comunicar o caso à polícia local, mas Gilberto não foi localizado.

O crime

O corpo da professora Briggida Rosely de Azevedo Lourenço, de 28 anos de idade, foi encontrado na tarde da terça-feira (19). Ela estava caída ao chão da sala do apartamento 203, no edifício Pétalas. De acordo com informações da polícia, a vítima apresentava sinais de estrangulamento.As informações repassadas à polícia pela família são de que o fotógrafo Gilberto Stuckert estava separado da ex-mulher Briggida há cerca de um mês, mas não escondia o desejo de voltar ao relacionamento, pois alegava que “gostava” muito dela.

Atualmente, Gilberto Stuckert estava morando em Brasília. Ele se mudou da Paraíba para lá depois de ter sido aprovado em um concurso público para trabalhar como fotógrafo da Fundação de Desenvolvimento do Vale do São Francisco – Fundevasf.

Ele pediu demissão do emprego e retornou a João Pessoa. Quando chegou, telefonou a ex-mulher e disse que queria ter uma conversa com ela. Na quarta-feira (20), à tarde, o fotógrafo foi até o apartamento da ex-esposa, onde aconteceu a tragédia.

Logo em seguida, o acusado telefonou à mãe de Briggida. Em desespero, ele contou para a mãe da professora que havia perdido a cabeça e feito uma besteira. Chegando ao local do crime, a polícia constatou que a vítima havia sido assassinada por estrangulamento. Briggida Rosely de Azevedo Lourenço era professora universitária e lecionava nas universidade UFPB e Unipê, na cadeira de Arquivologia. A professora tinha uma filha de 11 anos de idade.

Da Redação O Arauto Mamanguapense
Com informações do Portal Correio
clenilsonpino@yahoo.com.br
oarautomamanguapense@gmail.com
Postar um comentário